IJUSP | ZACHARIAS, José Jorge de Morais
875
post-template-default,single,single-post,postid-875,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-theme-ver-17.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive

ZACHARIAS, José Jorge de Morais

Título: Thomas Merton: solidão, conhecimento e inocência
Ano: 2009 | Orientador: Dulce Helena Rizzardo Briz

Contato do Autor: zacharias@terra.com.br

Resumo:

Mitologias e divindades da cultura banta e nagô chegaram ao Brasil através do período da escravidão. Como o cristianismo era dominante, a assimilação destas novas divindades deu-se de maneira sincrética e simbólica. A construção do sistema monoteísta judaico-cristão é apresentada pois se contrapõe ao politeísmo africano. Neste contexto, Exu no Candomblé representa um Hermes africano, tendo correlatos com outras divindades, para além do reducionismo bem e mal. Na Umbanda, Exu adquire outra simbologia, por interferência do cristianismo. Passa a ser o representante de conteúdos sombrios individuais e sociais, até identificar-se completamente com o mal nos cultos de Quimbanda. Neste estudo analisamos a amplitude de significações religiosas e psicológicas que Exu assume na cultura brasileira, amplificando sua compreensão simbólica para além de preconceitos e distorções de seu significação.

Palavras-chave:Psicologia analítica, religião, arquétipo, candomblé, afro-descendente

 


WhatsApp chat