IJUSP | MACHADO, Zilda Maria de Paula
806
post-template-default,single,single-post,postid-806,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-17.2,qode-theme-bridge,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive

MACHADO, Zilda Maria de Paula

Título: Saudade na alma enlutada
Ano: 1996 | Orientador: Priscila M. Castrucci

Contato do Autor: zmaria@allnet.com.br

Resumo:

Este trabalho procura compreender a importância da saudade no luto, dado que o conforto com a morte é inerente ao processo de individuação, e está presente em qualquer situação analítica. Através da observação ficam claros dois tipos de saudade: Saudade externa e concreta, voltada para o objeto da dor, e saudade interna e simbólica, voltada para a internalização do objeto.
A interrelação entre dois tipos de saudade é discutida através das seguintes operações alquímicas: mortificatio, calcinatio, solutio, coagulatio, separatio, sublimatio e coniunctio.
Durante a elaboração da perda, duas forças lutam em sentido contrario: por um lado, para o inconsciente a morte é uma etapa natural da vida; por outro, para o consciente, pelo menos na nossa cultura ocidental, a morte é sentida como interrupção da vida. È a saudade que vai ajudar a aproximação e confrontação destes opostos, fazendo surgir a função transcendente, que tem por objetivo restaurar o equilíbrio no nível psíquico e energético.