HORSCHUTZ, Renata Whitaker

Autor:
A importância das vivencias infantis para o futuro processo de individuação
Ano:
2006
Orientador:
Áurea Roitman
Contato do Autor:
Resumo:

O assunto desta monografia são as contribuições da análise infantil e das memórias da infância, para o futuro processo de individuação, isto é, uma reflexão sobre as contribuições da analise relativa ao período da infância para resgatar a formação de um EU saudável e, manter-se conectado ou refazer o eixo EU – SI MESMO.
O tema é introduzido por alguns conflitos da psique infantil, com posterior descrição sumaria dos arquétipos materno, paterno e do processo de individuação. Seguidamente é realizado um relato da responsabilidade dos pais na estruturação psíquica da criança, bem como uma reflexão de algumas dinâmicas familiares, e do processo de atendimento familiar na análise infantil.
Demonstrar que o trabalho simbólico com crianças é algo tangível, visto que a criança apresenta uma forte relação com os arquétipos, o que contribui para a estruturação do EU e mantém viva a relação com o SI MESMO, processo fundamental para a individuação.

Palavras chaves:
infância, individuação, Eu, Si Mesmo, família, psicoterapia.